Notícias

Projeto Rua Completa resgata a tradição brasileira das ruas e praças abertas ao convívio solidário

A “rua piloto” tem 400 m2 de área projetada, dentro do conceito de acessibilidade universal, onde se encontra o estado-da-arte em pavimentação de vias, iluminação pública, sistema de drenagem de água de chuva, acessibilidade, calçadas confortáveis, ciclovias etc.

A Sobratema , em parceria com o Sinaenco (Sindicato da Arquitetura e da Engenharia) e a WRI Brasil levou para a Semana das Tecnologias Integradas para Construção, Meio Ambiente e Equipamentos uma versão ampliada e mais abrangente do projeto “Rua Completa - Rede Nacional para a Mobilidade de Baixo Carbono”. A iniciativa, que havia sido apresentada com muito êxito durante o Encontro dos Municípios com Desenvolvimento Sustentável, promovido pela Frente Nacional de Prefeitos, em abril, em Brasília, consiste em reunir em um único espaço as condições ideais, projetadas para garantir acesso seguro a todos os usuários – pedestres, ciclistas, usuários do transporte coletivo e motoristas – a partir de elementos de desenho urbano, mobiliário e infraestruturas que melhoram as condições de segurança e acessibilidade.

A “rua piloto” tem 400 m2 de área projetada, dentro do conceito de acessibilidade universal, onde se encontra o estado-da-arte em pavimentação de vias, iluminação pública, sinalização vertical e horizontal, sistema de drenagem de água de chuva, calçadas confortáveis que garantem mobilidade e acessibilidade, ciclovias, trechos de vias exclusivas para transporte público, piso tátil para deficientes físicos etc. Tudo na Rua Completa foi pensado para estimular o deslocamento não motorizado como prioridade, bem como a ocupação do espaço urbano pelo cidadão. No final da rua foi montada uma “praça” como espaço principal de convivência, dotada de equipamentos urbanos que permitem o acesso e uso pleno mesmo para pessoas portadoras de deficiências.

“O objetivo da Rua Completa é mostrar, em escala real, aos prefeitos e integrantes das administrações municipais e aos visitantes desse importante evento a possibilidade da convivência harmoniosa e segura decorrente de vias urbanas bem planejadas, em locais de comércio e com grande fluxo de pessoas”, afirma o presidente do Sinaenco, José Roberto Bernasconi. “O conceito de Rua Completa tem em sua essência o paradigma de uma cidade para as pessoas, em que a acessibilidade universal seja respeitada e todos possam usufruir do espaço público democraticamente”, explica Paula Santos, coordenadora de Mobilidade Urbana e Acessibilidade doa WRI e uma das responsáveis pelo desenvolvimento do projeto.

Humanizando as ruas

Segundo Afonso Mamede, presidente da Sobratema, nesse recorte urbano, dá para ter uma amostra da excelência do que é oferecido ao mercado, por construtoras e fornecedores de solução, em termos de pavimentação, acessibilidade, mobilidade e calçadas, permitindo uma convivência harmoniosa entre pedestres, ciclistas, ônibus e automóveis.

Uma das características da Rua Completa são as fachadas ativas. A presença de janelas e vitrines voltadas para a rua, portas e acessos frequentes, bem como a proximidade da edificação com a calçada, possuem uma forte relação com a segurança pública urbana. Comércio, serviços e espaços culturais estimulam a convivência entre a vizinhança e qualificam a relação do espaço público com o ambiente construído, promovendo mais interação social. O pedestre sente-se mais seguro nos espaços onde outras pessoas também estão circulando.

A rua ideal tem vários tipos de pavimentos, dependendo de diversos fatores, como a função da via, tipo de tráfego, fluxo de veículos e pedestres, topografia do local, tipo de subsolo, periodicidade de manutenção, uso e ocupação do solo.

Nesta via foram utilizados dois tios de pavimentos: paver (blocos intertravados de concreto) e o concreto moldado in loco. Tanto o paver quanto o concreto moldado in loco são antiderrapantes, o que proporciona segurança aos pedestres, mesmo em dias de chuva.

Para orientar os deficientes visuais, foi instalado piso tátil em todo o trajeto, bem como semáforos com sinais sonoros. Quando instalado, o piso tátil se torna parte de um ambiente complexo, que possui uma série de informações táteis e sensoriais.

A Rua Completa tem, ainda, compatibilidade entre o limite de velocidade e o desenho do ambiente viário. Isso influencia positivamente o comportamento dos motoristas e evita velocidades acima do limite estabelecido. Espaços compartilhados por diferentes usuários e meios de transportes – como pedestres, ciclistas, automóveis e ônibus – devem ser sinalizados, indicando claramente o limite de velocidade e os fluxos preferenciais;

A sinalização no pavimento da rua indica para que tipo de usuário ela se destina. Há faixas de serviço, onde são colocados lixeiras, sinaleiras, postes de iluminação, assentos, etc. Há faixas exclusivas para pedestres, outras para  ciclistas, para transporte coletivo etc., exigindo velocidades baixas para o convívio seguro entre todos os meios de transporte;

O projeto de iluminação das vias deve priorizar pedestres e ciclistas, que não possuem sistemas próprios de iluminação, como os automóveis. Algumas tecnologias melhoram a iluminação pública. Lâmpadas de LED e luminárias com placas solares geram economias nas contas de luz e na manutenção das redes.

A importância da fiação subterrânea melhora a estética da via e diminui a interrupção da energia elétrica causada por incidentes e intempéries – como chuvas e ventos fortes.

Diversos elementos são instalados nas vias urbanas, como bancas de jornal, caixas de correio, telefone públicos, hidrantes, lixeiras, bancos, abrigos de pontos de ônibus etc. Alguns cumprem funções utilitárias, enquanto outros servem para incentivar a permanência das pessoas nos espaços públicos.

Paraciclos

A instalação de paraciclos nas vias, em conjunto com medidas como a redução dos limites de velocidade e a construção de ciclovias/ciclofaixas estimula o deslocamento por bicicleta.

As técnicas de gerenciamento de águas pluviais, também chamadas de “infraestrutura verde”, como biorretenção, plantio de árvores mas calçadas e utilização de pavimentos permeáveis, reduzem o escoamento de água da chuva, aliviando o impacto da drenagem urbana. Elas melhoram, a qualidade da água que retorna para as bacias, diminuindo a necessidade de tratamento para o consumo.

Os jardins de chuva ou bacias de infiltração são canteiros caracterizados por depressão no solo, que forma uma bacia para onde é direcionado p escoamento superficial da água da chuva.

Ainda de acordo com Afonso Mamede, a transformação do ambiente em um local mais agradável e seguro para as pessoas pode ser realizada com intervenções simples, como pinturas no pavimento para aumentar a área dedicada aos pedestres, uso de parklets, mobiliário móvel e sinalização. “As Ruas Completas devem ser projetadas considerando as características específicas de cada local. O tipo do solo, orçamento e desejos e necessidades da comunidade local interferem no desenho final do espaço”!, afirma.

Fonte: Grandes Construções