Notícias

Retomada dos negócios

Apesar do momento difícil vivido pelo país, a maioria dos dirigentes e organizadores da Semana das Tecnologias Integradas para Construção, Meio Ambiente e Equipamentos, realizada de 7 a 9 de junho, em São Paulo, manifestaram confiança na retomada dos negócios no segmento.

Fonte: Assessoria de Imprensa

“Já vemos sinais claros de melhoria em vários indicadores e, gradualmente, as reformas estão caminhando, independente da crise”, comentou Afonso Mamede, presidente da Sobratema – Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração, durante coletiva de imprensa no evento.  “Confiamos que o Brasil vá crescer e de forma vigorosa, pois temos uma série de vantagens em termos de água, energia, terras e um grande mercado consumidor”, afirmou José Roberto Bernasconi, presidente do Sinaenco – Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva. Para o vice-presidente da Sobratema, Mário Humberto Marques, as oportunidades de negócio na área de infraestrutura atualmente estão na esfera municipal. “Além das oportunidades, a vantagem adicional é que existem recursos disponíveis como é o caso do segmento de saneamento, cujo orçamento prevê financiamento até 2030”, afirmou o dirigente, salientando que outra área promissora é a de energia eólica, que este ano deve tem um crescimento de 70%.

Para Juan Manuel Altstadt, vice-presidente da Sobratema, outra prova da confiança do mercado na retomada é a realização da Semana das Tecnologias e a parceria recentemente firmada entre Sobratema e a Messe München. “Vale ressaltar a importância dessa parceria, que é prova de que se acredita que o país vai vencer esse período de dificuldade”, afirmou Altstadt, acrescentando que o empresário estrangeiro está confiante na retomada. “A Semana marca o início de um relacionamento que deve durar durante os próximos 30 anos”, complementou Collin Davis, diretor da Messe München.

Na solenidade de abertura da Semana das Tecnologias também participaram: Megan Tanel, vice-presidente da AEM – Association of Equipment Manufactures; Jackie James, diretor da World of Concrete; Jorge Cuartero Dastis, diretor da ANMOPYC – Associación Española de Fabricantes de Maquinaria de Construcción, Obras Publicas y Mineria.

Sobratema Summit 2017

Um dos pontos altos da semana foi o Sobratema Summit 2017, que reuniu diversas entidades realizadoras dos seminários. Um dos destaques foi o MATCON, que debateu como as estratégias digitais de comunicação podem aproximar a indústria do usuário final. O case, apresentado por Suzanne Darie, da área de Comunicação Corporativa & Marketing Sales Region Americas da Volvo Construction Equipment, destacou os desafios na integração digital no relacionamento e negócios com os canais de vendas e marketing. “Apesar da maioria dos países da América Latina falar o mesmo idioma, eles possuem culturas distintas, o que dificulta a comunicação da fábrica com o cliente final”.

O desafio foi focar em inovação na comunicação através das mídias sociais (facebook, canal do YouTube e Instagram), cada um com um tipo de abordagem para o segmento de atuação da Volvo CE, focando nos públicos consumidores de três marcas distintas: Volvo (marca premium), Telex Trucks, SDLG (marca chinesa, com presença no Brasil que atua no segmento de equipamentos robustos e não exige tecnologia embarcada).  O resultado foi sair de um índice de curtidas no faebook da ordem de 1.396 em 2016 para mais de 264 mil lem 2016. Além dos números, a estratégia nas mídias sociais proporcionou a identificação de seu principal usuário: os operadores de máquinas no Brasil. Para 2017, Suzanne aposta no YouTube como ferramenta para que os operadores de máquinas que estão no canal testem os equipamentos e disseminem os benefícios da microescavadeira. Assim, esses operadores serão os maiores influenciadores e, consequentemente, identificados como embaixadores da marca.

Em outra palestra, Victor Penedo, presidente da Corporate Transitions International, trouxe uma nova abordagem e visão de gestão em tempos modernos, onde a internet e as novas tecnologias tornaram o tempo de pensar as estratégias e os caminhos das organizações mais abreviado, em meio a uma sociedade que ainda vive o modelo top down, com um líder e seus subordinados. Ele defendeu a ideia de que as organizações, culturas, pessoas e países, devam atuar num modelo de rede, partindo de sete pilares, o que definiu sua própria metodologia chamada Maturity Index: confiança, compromisso, co-criação, conexão, comunicação, carinho; celebração e correção do curso. Essa visão, segundo ele, evita os chamados tsunamis sociais, que hoje estamos vivendo em todo o mundo porque as pessoas vivem de forma hierarquizada.

E se a tecnologia avança a cada segundo, Cristina Penna, da Neoway, usa a inteligência dos dados, com o fenômeno do big data, para tornar dados em informações estratégicas para a indústria de construção, a partir de análises, tanto de pessoas físicas, quanto jurídicas, como foi o sucesso da Portobello, com o projeto Radar, desenvolvido pela Neoway. A partir da análise dos dados, a companhia integrou varejo à engenharia, o que resultou num aumento de 65% no faturamento.

Fonte: Grandes Construções